"

DEMISSÃO EM MASSA: 648 operários do Marfrig de alegrete.

08:59:00


A mobilização de lideranças do setor e de funcionários é no sentido de que a planta possa ser ocupada por outra indústria.

É este o objetivo do presidente do STIAA, Marcos Rosse, a ser discutido na reunião desta quinta-feira (22), no Ministério Público do Trabalho.

Certo das dificuldades em reverter a decisão de fechamento do Marfrig em Alegrete, após a decisão oficializada pela empresa, o sindicalista lamenta a falta de preocupação das lideranças locais em pressionar a permanência do Marfrig, assegurando renda e emprego para o município.

Caso se confirme na Justiça a demissão em massa, o Sindicato solicita a desocupação da planta para que possa ser ocupada por outra indústria.

Arrendada do Frigorífico do Mercosul até 2031, a unidade em Alegrete já teria confirmado três interessados.

Porém a liberação da planta, teria de passar por uma árdua negociação com o Marfrig, que sustenta a ideia de manter a unidade locada para evitar concorrência na Fronteira Oeste.

“Não podemos aceitar que o frigorífico seja fechado dessa forma, 648 empregos sejam perdidos e que ainda a planta industrial não seja liberada ao mercado”, protesta Marcos Rosse, do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Alimentação de Alegrete.

A reunião de conciliação prevista entre a empresa e o sindicato desta quinta no Ministério Público do Trabalho, em Porto Alegre abordará a intenção de liberar a unidade para outra indústria, e justificada também pela disponibilidade de matéria-prima na região, ao contrário do alegado pelo Marfrig ao anunciar o encerramento das operações a partir de 3 de janeiro.

Segundo o Sindicato Rural de Alegrete,o Rio Grande do Sul foi um dos únicos Estados a aumentar o número de abates em 2016.

Em comunicado sobre o fechamento da unidade, o governo do Estado alegou que não houve espaço para negociação.

Sem condições de conceder incentivos fiscais como em 2014, agora a empresa nem cogitou esta alternativa, o que motivou Ernani Polo, secretário da Agricultura, iniciar uma negociação da liberação da planta para possíveis interessados.

Fonte: Alegrete tudo


LEIA TAMBÉM

0 comentários