Operação Camilo em Cacequi








 Na manhã de ontem, 27, uma Força-Tarefa formada pela Polícia Federal, Controladoria Geral da União, Tribunal de Contas do Rio Grande do Sul, Ministério Público Federal e Ministério Público do Rio Grande do Sul cumpriram, 129 medidas judiciais em investigação que apura crimes de fraude à licitação, peculato, corrupção passiva, organização criminosa, ocultação de bens, crime de responsabilidade e desobediência. Um prejuízo estimado em R$ 15 milhões em recursos da saúde repassados pela União e pelo estado do Rio Grande do Sul a uma Organização Social.

A deflagração da Operação Camilo ocorreu nos municípios gaúchos de Porto Alegre, Rio Pardo, Butiá, Canoas, Capela de Santana, Gravataí, Cachoeirinha, São Leopoldo, Guaíba, Portão, Cacequi e São Gabriel, nas cidades paulistas de São Paulo e São Bernardo do Campo, na cidade do Rio de Janeiro, e em Florianópolis e São José, no estado de Santa Catarina.

Foram  cumpridos 61 mandados de busca e apreensão, 15 de prisão temporária, além de medidas judiciais de arresto/sequestro de bens móveis e imóveis, bloqueio de valores depositados em contas dos investigados e de empresas e afastamento cautelar de funções exercidas por cinco servidores públicos municipais. As ordens judiciais foram expedidas pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região e pela Justiça Estadual de Rio Pardo/RS.

No município de Cacequi,  conforme o vice-prefeito Airton dos Anjos (PTB), o alvo é o secretário de Saúde do município, Leomar Maurer, que foi afastado do cargo por 90 dias. O vice-prefeito explicou que as irregularidades estão relacionadas a desvios de recursos do SUS e garante que nem ele e nem o prefeito, Francisco Matias Fonseca (PTB), não sabiam dos desvios.

“Se houver atos ilícitos, queremos que os culpados sejam punidos. O clima na cidade hoje está muito ruim. Ficamos tristes em ver esses maus exemplos”, destaca o vice-prefeito Airton dos Anjos. A Polícia Federal informou, ainda, que houve um mandado de prisão em Cacequi, mas não confirmou o nome de quem é o preso.






Tecnologia do Blogger.