Bolsonaro diz que decisão que beneficiou Lula tornou elegível “um dos maiores bandidos que passou pelo Brasil

18:59:00



O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (18) que a decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), que anulou condenações do ex-presidente Lula na Operação Lava-Jato “deu elegibilidade para um dos maiores bandidos que passou pelo Brasil”.


A decisão de Fachin fez com que Lula deixe de ser réu nos processos e, com isso, permitiu ao petista recuperar os direitos políticos. Assim, ele poderia enfrentar Bolsonaro na disputa presidencial de 2022.


“Um ministro do Supremo deu elegibilidade para um dos maiores, um dos maiores bandidos que passou pelo Brasil. Alguns falam ‘ah, o Supremo, ai’ – foi um ministro, mas falam o Supremo – ‘absolvendo o Lula’. Pessoal, uma coisa apenas. Se os delatores entregaram mais de R$ 2 bilhões, é porque eles roubaram. Roubaram de quem? Não foi de uma empresa privada de ninguém, foi de uma empresa pública. Só isso aí é suficiente”, disse Bolsonaro em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, em Brasília.


O ministro do STF justificou a anulação dos processos sob o argumento de que a 13ª Vara Federal de Curitiba não tinha competência para julgar os casos envolvendo Lula. As condenações foram determinadas pelo ex-juiz Sérgio Moro e pela juíza Gabriela Hardt.


Fachin entendeu que não há relação entre os desvios praticados na Petrobras, investigados na Lava-Jato de Curitiba, e as irregularidades atribuídas a Lula, como o custeio da construção e da reforma de um triplex em Guarujá (SP). Por isso, determinou a transferência dos casos para Brasília.


A decisão atinge quatro ações envolvendo o ex-presidente: do triplex em Guarujá, do sítio em Atibaia (SP) e duas ações relacionadas ao Instituto Lula. Em discurso após a decisão de Fachin, Lula disse que foi “vítima da maior mentira jurídica contada em 500 anos de história”.


A Procuradoria-Geral da República recorreu da decisão, e o ministro decidiu enviar a discussão ao plenário da Corte. ( O SUL )


LEIA TAMBÉM

0 Comments